Bem Vindo a WA Rural

contato@warural.com.br

(14) 99759-4149

Topo

Cargill investe em ‘carne alternativa’

memphis_carnesintetica

Cargill investe em ‘carne alternativa’

Startup Memphis Meats desenvolve proteínas feitas a partir de células animais, sem a necessidade de abatê-los

A startup Memphis Meats, de São Francisco, na Califórnia, anunciou esta semana que recebeu investimentos de US$ 17 milhões para seu projeto de carne “limpa” (clean meat, em inglês), desenvolvida em laboratório a partir de células animais. A empresa já produziu carne bovina, de frango e de pato dessa forma. Entre os investidores estão a Cargill e Bill Gates, o co-fundador da Microsoft. “Nós vamos levar a carne para a mesa de uma forma mais sustentável, acessível e deliciosa”, disse em nota Uma Valeti, presidente da startup.

A empresa pretende usar os fundos para continuar desenvolvendo as proteínas, acelerar a ampliação da escala e reduzir os custos de produção a níveis comparáveis com os das carnes convencionais. “O mundo ama comer carne, é uma questão central para muitas culturas e tradições. Queremos que o mundo continue comendo o que ama. Porém, da forma tradicional que é produzida, a carne cria desafios para o meio ambiente, bem-estar animal e saúde humana”, afirmou Valeti.

A Cargill não anunciou quanto investiu no projeto, mas disse, em resposta à Bloomberg, que acredita que, no futuro, o mercado terá demanda para os dois “tipos” de carne. “Estamos comprometidos a crescer nosso negócio tradicional de proteínas e a investir em projetos inovadores para, no fim, oferecer uma cesta completa de bens aos nossos consumidores”, relata Sonya McCullim Roberts, presidente de novos empreendimentos da Cargill Proteína. “Nosso investimento é uma forma empolgante de explorar o potencial desse segmento em crescimento”.

A Memphis Meats lançou em 2016 a primeira almôndega “limpa” e em 2017 apresentou suas tiras de frango feitas sem a necessidade de abater nenhum animal, mas uma produção em escala comercial ainda não está perto no horizonte. O processo também precisa ser aprovado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Até o momento, a startup já recebeu aportes de US$ 22 milhões.

Fonte: Portal DBO